Existem cerca de 28 mil espécies de peixes catalogadas com nomes científicos. Mas, depois de identificar 7 mil dessas espécies com o uso da técnica de DNA barcoding – ou código de barras de DNA –, uma rede internacional de cientistas começa a suspeitar que o número total de peixes conhecidos pode ser muito maior. A aplicação da nova metodologia mostrou que muitos dos nomes científicos podem remeter a espécies distintas.
A afirmação foi feita por Robert Hanner, da Universidade de Guelph, no Canadá, nesta sexta-feira (4/12), durante o último dia do Simpósio Internacional sobre DNA Barcoding do Programa Biota-FAPESP, na sede da Fundação, em São Paulo.
Hanner coordena o projeto Fish-BOL, associado ao Projeto Internacional do Código de Barras da Vida (iBOL, na sigla em inglês), que será lançado em julho de 2010. Ambas as iniciativas são sediadas na Universidade de Guelph.
http://www.ibolproject.org/
http://www.fishbol.org/index.php
http://www.agencia.fapesp.br/materia/11449