A crise que teve início nos EUA há um ano repercutiu-se em todo o mundo. Gigantes do mundo das finanças foram subitamente confrontados com a perspectiva da bancarrota. Como seria de esperar, a crise também afectou os particulares e as empresas. O crescimento económico registou um abrandamento acentuado e, pela primeira vez em vários anos, em alguns países da UE o desemprego começou a aumentar.
Na UE, a crise desencadeou respostas a vários níveis. Governos nacionais, Banco Central Europeu e Comissão Europeia têm trabalhado em conjunto para proteger as poupanças dos cidadãos, manter um fluxo de crédito acessível aos particulares e às empresas e instaurar um sistema de governação mais fiável para o futuro.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Crise
http://ec.europa.eu/commission_barroso/president/focus/credit_crunch/index_pt.htm