Um estudo da Universidade de Saint Louis, nos Estados Unidos, revela que dormir pouco é uma das causas do desenvolvimento de placas tóxicas no cérebro, factor que influencia a progressão do Alzheimer.David Holtzman, responsável pela investigação, recorreu a dez homens saudáveis e a cobaias geneticamente modificadas para realizar o seu estudo e verificou que o sono afecta os níveis da proteína beta-amiloide. Esta proteína está relacionada com a criação de placas tóxicas que alteram o funcionamento cerebral, causando a doença de Alzheimer.
http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=35444&op=all